Sábado, dia 02 de dezembro, 17h.
Entrada Livre

Na região Centro/Norte do nosso País, qualquer dia é um bom dia para ocupar algum tempo a prestar atenção aos ecossistemas florestais. Contudo, neste momento, depois dos fogos devastadores, e com algumas centrais de biomassa no horizonte, o tema do cuidado a ter com as florestas tornou-se muito urgente.

Não é fácil exagerar o valor das florestas para a vida no nosso planeta.

As florestas estão onde está a vida de 80% das plantas terrestres e animais, fazendo delas os lugares de maior biodiversidade na Terra.

As florestas arrefecem, limpam e oxigenam o ar que respiramos. As florestas contribuem para a formação de chuva assim como conservam e limpam a água. As florestas armazenam Carbono. Fornecem comida, medicamentos e materiais para proteger os humanos. As florestas são lugares onde refletimos e nos tornamos sensatos, existindo evidência científica de que passar tempo numa floresta pode melhorar a nossa saúde, bem-estar e felicidade. No Japão isto é do senso comum e as pessoas vão para as florestas praticar ‘Shinrin-yoku’ – tomar banho na floresta. As florestas fornecem-nos muito do que é fundamental na vida humana: comida, abrigo, saúde e elevação espiritual.

No entanto subestimamos, demasiado facilmente, os riscos da má gestão florestal. Esta má gestão pode levar a: seca dos solos e abaixamento dos níveis da água mesmo em   aquíferos mais profundos, mudança nos microclimas regionais tornando-os mais quentes e menos húmidos provocando deste modo a desertificação, degradação dos solos (que são pobres, de um modo geral, em Portugal), aumento do risco de fogo, diminuição da capacidade da Terra para armazenar Carbono, desta forma contribuindo para o aquecimento global e extinção de plantas e animais… entre outras catástrofes.

Mesmo não vivendo numa floresta ou próximo dela, florestas saudáveis são importantes para todos nós.

Os fogos de Outubro e as suas terríveis consequências, bem como a construção de duas novas centrais de biomassa, terão um grande impacto nas florestas do Centro/Norte. Com esta sessão no CarmoVerde esperamos informar e inspirar a audiência para se preocupar com um melhor futuro para as nossas florestas.

* Monoculturas de, por exemplo, pinheiros e eucaliptos não podem ser consideradas florestas se as virmos como um ecossistema. Numa perspetiva ecológica estas monoculturas são consideradas desertos verdes.